Palhaço também conta histórias!
Neste blog você pode saber um pouco mais das nossas histórias vividas nos hospitais.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

De volta pra casa


Relato enviado pela voluntária Daniela (Palhaça Janja)

 



Encontramos no 4º andar a Dona A. do carrinho de comida e ficamos ouvindo ela contar a história do Sururu láaaaaaaaa de Alagoas. Oh mulher boa pra contar história. Ela é do tipo mãezona, acolhedora, com um sorriso largo no rosto, dentes brancos e perfeitos e que te faz sentir bem logo de cara.
Ricota e eu ficamos nos deliciando ouvindo ela contar a história. Fomos embora daquele andar, mas encontramos Dona A. novamente no 6º andar, quando já estávamos de saída. 
 
Eu disse pra ela: Dona A. amei a senhora e o tal do sururu, posso te dar um abraço? 
 
Ela: Oxi, mas é claro que sim. 
 
E nos abraçamos sem pressa de largar. Sabe aquele abraço longo e acolhedor?! Pois é, eu acho que eu estava precisando de um desses e não queria mais soltar.
 
Quando eu finalmente larguei Dona A., ela estava com os olhos cheios d´água e disse: Olhe, eu estava tão desanimada e triste. Hoje cedo me ligaram lá de Alagoas pra falar que minha mãe sofreu um derrame. Eu tava aqui com meu coração apertadinho e só pensando em “mainha”. Esse abraço foi a melhor coisa que podia ter me acontecido.
(Acho que nós precisávamos uma da outra). 
 
Falei pra ela: Não seja por isso... 
Abri os braços, bem grandão, como se fosse o Cristo Redentor e disse: Me abrace mais!!!!
  
Nos abraçamos mais e fui embora dali refletindo sobre aquele momento.
Várias coisas fervilhavam na minha cabeça, quando Ricota disse: Janja, acabou nossa visita. Vamos nos trocar?
  
Eu disse: Não. Vamos embora assim. Quero ir pra casa assim... Janja.
(Uma das coisas que passavam pela minha cabeça quando Dona A. falou de sua mainha foi que faz 10 anos que meu pai teve um derrame e encontra-se numa cama totalmente dependente de seus familiares e ele nunca conheceu a Janja. Me senti em dívida com ele.).
 
Ricota entendeu, entrou no clima e disse: Vambora então !!!! 
 
Fomos.
 
Cheguei em casa e fui direto para o quarto do Seu Ricardo.
 
Eu estava tão eufórica que nem tive tempo de entender o ambiente, bater na porta e perguntar se eu podia entrar... nada... já cheguei chegando.
Ele tomou um susto porque estava um pouco sonolento.

Eu disse: Vamos abrir essa janela e deixar o sol entrar?
 
Ele já meio rindo disse: Pra quê? Eu não posso ir lá fora!
 
Eu retruquei: Então deixa o lá fora entrar aqui dentro.
 
Ele me respondeu com um gesto que só quem o conhece sabe o que estou dizendo. Subiu o ombro, levantou a sobrancelha e balançou de lado a cabeça.
 
Perguntei: Qual é o seu nome mesmo?
  
Ele: RI ....... RI .... RI .... CARDO. E o seu?
 
Respondi: O meu é Janja! Muito prazer!
 
Ele: Janta?
 
Eu: Não. Janja.
 
Ele: Almoço?
 
Eu: Ah vai te catar! Tá achando que eu sou palhaça? Tchau, foi um prazer e eu vou embora.
 
Ele segurou minha mão muito forte e disse: Como vai, como vai, como vai...
 
E eu: Muito bem muito bem bem bem!
 
Eu mesma já não sabia mais quem era o palhaço da história. Nos divertimos muito. Ele se deliciou com a visita e eu mais ainda. Foi incrível e talvez um dos momentos mais emocionantes que eu vivi enquanto Janja. 
 
Sabe aquele momento que marca pra sempre e você já sabe que vai contar para os netos? Então, esse é um desses momentos. Me despedi dele e fui embora com uma sensação maravilhosa que jamais conseguirei descrever e com perguntas que não sei se um dia saberei responder.
 
Quem precisa mais de um abraço? Eu ou outro?
 
Quem tem mais espaço, a criança ou o adulto que moram em mim?
 
Como anda o palhaço que habita em mim?
 
As nuvens são de algodão?
 
Como essa flor nasceu de dentro do concreto?
 
Por que motoboy buzina tanto?
 
Não precisa responder...
 
Eu não quero entender...
 
Acho que a palavra é SENTIR.
 
E o resto?
 
O resto que se exploda!!!

 

20 comentários:

Anônimo disse...

Que historia demais!!! Me comoveu muito, lindo gesto Janja.. Bjs e parabeens pelo trabalho..

Anônimo disse...

Linda mensagem!
Sua caminhada é iluminada e de muito sucesso! Desejo força todos os dias,fé para acreditar sempre porque amor eu já percebi que tem e muito!!! Que os anjos te proteja!
Abraço,
Paula.

Claudia Japa disse...

Ah Janja, meu pai se foi agorinha mesmo...tenho certeza que ele vai acompanhar meus voos de Borboleta!

Anônimo disse...

Simplesmente mágico....admiravel Janja. bjs Bianca -Peleca

Anônimo disse...

Dani, parabéns pelo lindo trabalho! Você realmente é casca!
Bjão! Gui!

Anônimo disse...

Muito lindo mesmo!!

Rubia disse...

Janja, sua linda!

Anônimo disse...

D-E-M-A-I-S !!! :-)

Adê disse...

Muito bonito este trabalho que voce faz...
Queria ter mais tempo para fazer o mesmo que voce....

PARABÉNS... Linda história!!!

Anônimo disse...

Parabéns pelo belo trabalho.
História incrível.
Chorei lendo.
Bjão

Anônimo disse...

Muito linda a sua história!!
Parabéns!!
Eu acho que um dos maiores segredos da vida é conseguir perceber pequenos sinais que podem nos trazer grandes experiências como essa que você viveu!!
Bjo grande!!

Lila disse...

Dani,
Parabéns pelo trabalho maravilhoso que vc e sua equipe fazem, só aguenta aquele que é muito forte.
Continuem levando a alegria para aqueles que precisam muito mais do que uma Palavra.
Bjs

Lila disse...

Dani,
Parabéns a vc e as pessoas que fazem esse tipo de trabalho, que são poucos que conseguem. Continuem levando a alegria e fazendo a diferença na vida daqueles que precisam muito mais do que uma Palavra.
Foi muito bom e divertido ver vcs dois fazendo "gracinhas" rsrsrs.
Bjs

Giulia Bonanséa disse...

As histórias de vocês sempre me fazem chorar!!!! Liiindas demais *-*

PARABEENS pela atitude, pela dedicação, pela FORÇA e pelo AMOR com que voces realizam esse trabalho!!!

Anônimo disse...

Oi Dani... Sabe que te admiro como pessoa e profissional...
Agora a Janja faz parte também...
Bj,

Celso

Anônimo disse...

D-E-M-A-I-S

Anônimo disse...

Se eu sou a Minerva, qual e o problema???
Enfim, o que eu queria registrar e que alem da maozinha com o punho cerrado balançando quando sente dor voce tambem herdou dele esse traço genetico do bom humor que agora ele esbanja e que o olhar intenso que transmite emoçoes autenticas como o que cita na historia tambem faz parte do DNA Mansur!
Portanto desejo que sua jornada seja sempre repleta de gestos gigantescos e abraços grandiosos para que possa de fato reconfortar e revigorar infinitos coraçoes para o papai continuar a ter orgulho da filha Daniela Mansur ( que pode ser a Maralice Mansur)!!!!
Parabens pela escolha, pela paixao que a executa, pela compaixao que deixa fluir e pela solidariedade em compartilhar!!! A cura se estabelece quando enxergamos a fragilidade no outro e a reconhecemos em nos: "somos todos irmaos, braços dados ou nao"
O merito e todo seu, te amamos!!!

Anônimo disse...

Parabéns pelo "trabalho"... Muitos sentem o desejo de fazer algo parecido, mais muitos, como EU, não tem a CORAGEM para tal!
Te admiro TB por isso! E a aqueles que se dedicam aos outros sem distinção! Nobre o que fazem.
Foi um prazer conhecer TB a JANJA!!! :)

Aninha disse...

Maravilhosooooo...parabéns!

SCHAID INFORMÁTCA disse...

Dani = espirito de luz simplesmente...